segunda-feira, 31 de julho de 2017

Heroes - Highline Sessions











Vazou por um curto tempo na internet, o vídeo “Highline Sessions Version” da faixa “Heroes”.
Tomara que esses videos sejam lançados futuramente em dvd.
E a versão definitiva de Heroes em estudio.
Faith & Devotion
JeanBong13

The Worst Crime - Highline Sessions











Vazou por um curto tempo na internet, o vídeo "Highline Sessions" da faixa "The Worst Crime".
O vídeo ficou muito bonito.

Faith & Devotion
JeanBong13

domingo, 23 de julho de 2017

Parabéns Martin L. Gore !!!


Martin L. Gore faz aniversário hoje, parabéns pelos seus 56 anos.
Prá comemorar essa data, segue uma biografia que fiz e atualizei em sua homenagem.

          Martin Lee Gore, nasceu em Dagenham, Essex, Inglaterra, no dia 23 de julho de 1961.
          É o principal compositor, e o segundo vocalista do DM (em geral, canta as músicas mais lentas da banda. Até 1986 usava somente teclados, mas a partir da tourné de 1988, ele começou a introduzir seus solos de guitarra, nas músicas.)
          Das primeiras apresentações do Composition Of Sound até o abandono de Vince Clarke, o papel de Martin Gore no Depeche Mode não tem sido fácil. Ainda que hoje em dia, seu nome sempre é lembrado na hora de elaborar uma lista do tipo 'os dez mais', isso não o entusiasma muito. "É embaraçoso ter um disco de ouro na parede. É meio como dizer: Veja como sou famoso.". 
         Atualmente Martin sempre demonstra ser uma pessoa extremamente calma, mas nem sempre foi assim. Quando era criança vivia brigando e arrumando confusões, seus pais estavam desesperados. "Mas isso tudo mudou, um dia quando minha mãe me surpreendeu espancando um garoto com um tijolo. Meu pai não me bateu, limitou-se a explicar-me que aquilo não estava certo, a partir de então, não sei porque, parei com as brigas e me tornei-me, um garoto muito tranqüilo.". 
         Na época da escola além das partidas de cricket e aulas de francês, o que mais atraía a Martin eram as aulas de língua alemã. "Na escola me graduei em francês e alemão e pretendia trabalhar em algo relacionado com isso. Fazendo traduções, numa agência de viagens, por exemplo. Porém era quase impossível.". Na verdade o que mais atraia Martin às aulas de Alemão, não eram as declinações do complicado idioma alemão, mas sim as viagens de intercâmbio oferecidas pela escola. Através dessas viagens, Martin passava algumas semanas de verão em uma granja no povoado de Schleswig-Holstein, no norte da Alemanha. "A vida no campo em pequenas doses, pode ser muito divertida.". 
         Com pouco mais de dezesseis anos Gore, comprou uma guitarra, aprendeu alguns acordes e formou uma banda chamada Norman And The Worns. Logo em seguida conheceu Vince Clarke, com que formou o French Look. Mais adiante ainda, com o mesmo Vince Clarke e mais um colega de escola, Andrew Flatcher formou o Composition Of Sound. "Vince e Andy estavam fortemente envolvidos em uma associação religiosa chamada Brigade Boys. Acho que eles pensavam que iam conseguir minha salvação, mas eu via tudo aquilo como um mero espectador.".
         A história detalhada desse começo musical, está explicada na sessão história, porque o que importa aqui, é o papel de Martin nisso tudo. Vale ressaltar, que naquela época um tímido Martin, muito inseguro com a qualidade de suas composições, sempre esteve a sombra de um despreocupado e dinâmico Vince. Mas o abandono de Vince, colocou Gore na linha de frente do Depeche. "Fui jogado nisso.". Agora ele tinha de se acostumar com a idéia de compor doze ou treze músicas para um único disco. "Sempre compus, desde os treze anos. Tinha algumas canções guardadas comigo.". Certamente isso tenha contribuído para que A Broken Frame fosse um álbum muito irregular e não superasse as expectativas criadas com Speak & Spell. "Por sorte éramos jovens e despreocupados. Se isso acontecesse hoje, iríamos dizer que vamos fazer agora? O segundo álbum não era nenhuma obra-prima, mas dava pro gasto, eu acho.". Ainda que realmente A Broken Frame não seja uma obra-prima, nesse álbum as letras passaram do banal puramente dançante, ao esotérico. Exemplo disso é "The Sun And Rainfall", vejamos um de seus versos: "Alguém vai chamar / Alguém vai despencar / E se esborrachar no chão / Sem ao menos ler o texto / Já vi isso antes / E é doloroso".
         Com músicas pensativas e ao mesmo tempo rápidas e alegres, Martin logo tornou-se mestre em mexer com emoções. "As pessoas me acham depressivo, mas não sou". E "A Question Of Lust"? "É uma música alegre, é alegre de certa maneira. Preste atenção, há otimismo em alguma parte dela.". 
         Dois são os temas básicos explorados por Gore em suas melodias: Sexo "Provavelmente 70% de nossas músicas abordam esse tema, fico surpreso quando falo com as pessoas e elas consideram o sexo secundário." e religião. "Nunca fui um cristão devoto, nem nunca segui uma religião em especial, mas gosto da idéia de crença, inclusive em algumas canções existe claramente um clima gospel.". Falando em suas composições, isso é o máximo que você consegue de Martin. Se insistir, ele logo citará o exemplo de Chuck Barry, que confessou ter escrito "Sweet Little Sixteen", porque seu empresário lhe contou que essa era a idade da maioria dos seus fãs. "Para mim isso foi o fim. Não posso mais ouvir essa musica.".      
         Uma coisa que realmente deixa Martin frustrado é a crítica britânica, que além de classificar sua musica como fria, vive lembrando de sua queda por roupas femininas. "Foi uma fase tão insignificante".
         No finalzinho da década de 80, Gore deu uma escapadinha do DM, para gravar um disco solo. "Para falar a verdade, até pensei em fazer outro álbum solo, mas quando minha filha nasceu, aquilo parecia ser mais divertido do que voltar ao estúdio. Preferi ter uma filha e me envolver com Sega, Mega-Drive e Super Nintendo. Perdi meses com Sonic, The Medgehog.". Em Counterfeit E.P., Martin preferiu abrir mão de suas obsessões, para fazer versões de suas músicas favoritas. 
          Em 1990, Martin compôs uma das melhores músicas de todos os tempos: "Enjoy The Silence". Ela não só garantiu o sucesso do álbum Violator, como também foi eleita a melhor música daquele ano, no Brit Awards.
          Viva Lee Gore, nasceu em 1991, filha de Suzanne Boisvert, sua primeira esposa, e com quem teve mais dois filhos.
          Três anos mais tarde, foi a vez de Songs Of Faith And Devotion, impulsionar ainda mais a carreira do Martin. Porém depois desse álbum tudo começou a dar errado. Diante inúmeros problemas acumulados desde o final da década passada, quase o Depeche Mode desapareceu para sempre. A maioria dos problemas vividos pelo DM, em grande parte eram reflexos dos problemas pessoais de seus integrantes. Assim como Dave havia se viciado em cocaína e heroína, Martin também acabou tendo problemas, devido ao uso abusivo de bebidas alcoólicas.
           Casou-se em agosto de 1994, com Suzanne Boisvert, fortalecendo seu lado familiar. O nascimento de sua segunda filha Ava Lee, em 1995, lhe deu mais confiança e sobriedade. Por outro lado a banda cada vez mais dava sinais de realmente iria desaparecer. Diante essa obscura perspectiva sobre o futuro do Depeche, Martin acabou por colaborar com projetos de alguns artistas. Em 1995, gravou "Coming Back To You", para o álbum tributo a Leonard Cohen. Depois disso colaborou com o trabalho de outros artistas como Spirit Fell, Garbage e Ken Andrews.
         Um novo momento familiar, em 2002, nasce seu terceiro filho : Kalo Leon. (único “garoto” até o momento.)
         Estamos em 2003, Martin lançou seu segundo álbum de covers, chamado Counterfeit², e fez uma “mini tour” de divulgação, que foi muito bem recebida pelos fans. Acompanhou o lançamento do primeiro álbum solo de Dave Gahan, Paper Monters. Ele encorajou Dave o suficiente para, pela primeira vez, enfrenta-lo. Isso porquê, durante a promoção de Paper Monster, Dave declarou várias vezes que só voltaria a gravar com o Depeche Mode, se Martin fizesse concessões. A mais importante delas, seria aceitar a idéia de que num próximo álbum da banda, suas composições, também fossem incluídas. Ainda que o estilo apresentado por Dave em seu álbum solo, pouco ou quase nada tenha haver com o habitualmente feito pelo DM, ao que tudo indica, Martin se dispôs a aceitar as imposições de Dave, pois no álbum de 2005, “Playing The Angel”, foram incluídas 3 faixas escritas por ele : “Suffer Well”, “I Want It All” e “Nothing’s Impossible”.
        Nessa mesma época, divorciou-se de Boisvert, “Precious”, é uma letra que fala sobre seus sentimentos, e é dedicada a seus filhos.
        A tourné do álbum foi um sucesso, que resultou num dvd “Touring The Angel – Live in Milan”. Martin, como pode ser visto no próprio dvd/tourné, está “mais solto e mais envolvido com a platéia”, suas participações são cada vez mais encantadoras, e o público espera por esses momentos.
        Gravaram o album “Sounds Of The Universe”, que contém também músicas de Dave : “Hole To Feed”, “Come Back” e “Miles Away/The Truth is”.
        Fizeram uma nova tourné mundial, onde “quase vieram ao Brasil”, (chegaram a incluir as datas de 22/10 pro RJ e dia 24/10/2009 para SP). Mas cancelaram alegando mudança de logística, em sua agenda de shows europeus.
        Porém, chegaram aqui pertinho. (Onde tive a oportunidade de “esbarrar com ele no aeroporto” – um grande momento, em minha vida ! – mesmo sendo um curto tempo de encontro – mas, foi um grande acontecimento, pois o vi de muito perto...). E foi justamente depois da passagem da banda pela Argentina, “na volta para a segunda fase da tourné européia, que Martin, fez várias surpresas para seus fans. (Normalmente, ele prepara entre 4 a 6 músicas, e intercala somente essas faixas, durante a tourné inteira...). Nos últimos 5 meses da tourné, ele simplesmente executou : “Jezebel”, “Home”, “Little Soul”, “A Question Of Lust”, “Somebody”, “Judas”, “Shake The Disease”, “Clean”, “Dressed In Black”, “Freelove”, “One Caress”, “Sister Of Night” e “Insight”.
        Praticamente dobrou o número de músicas que ele prepara para uma tourné inteira. Agradáveis surpresas, prá quem escutou e viu ao vivo, ele executando algumas dessas pérolas, acima citadas.
        De onde saiu o dvd/album “Tour Of The Universe”, gravado em Barcelona nos dias 20/21/11/2009.
        Paralelo, ao seu trabalho solo e dentro do DM, ele fez alguns remixes prá várias bandas alternativas, tem feito também várias apresentações como Dj. (Há pouco tempo atrás, fez uma em Santa Bárbara, e tocou também na “Short Circuit – Evento da Mute.
        Vince Clarke, divulgou que Martin está trabalhando com ele, num álbum “techno”, mas, sem cobranças com data prá lançamento, etc... (Na realidade 3 singles, e o album “SSSS”, que foi lançado em 2012, com o nome do projeto VCMG –“Vince Clarke Martin Gore”.)
        Participou do álbum “Back the Light” do álbum de 2010 do Bomb The Bass (Do Tim Simenon), com a faixa “Milakia”.
        Lançou em 2013, com o Depeche Mode, o album Delta Machine, onde novamente tivemos canções escritas por Dave :”Secret To The End”, “Broken’, “Should Be Higher”.
        Todas as outras, são do Martin.
        A Delta Machine Tour, resultou no album duplo “Live In Berlin Soundtrack”, e também no box “Live In Berlin”.
        Martin se casou com Kerrille Kaski, em junho de 2014. Em 19 de fevereiro de 2016, Kerrilee deu à luz uma menina chamada Johnnie Lee. (Eternal, música que saiu no album “Spirit”, foi composta para ela.)
        Em 2016 participou do album do The Mission, “Another Fall From Grace”, na faixa “Only You & You Alone”. (Aliás, esse é um grande album do The Mission, nos últimos anos).
        Martin mudou um pouco o foco das letras e em 2017 lançou com o Depeche, o album “Spirit”, sendo considerado, o album mais politizado da banda. Mostrando que eles estão atentos ao que acontece no mundo.
        As faixas que não são do Martin, são : “You Move” (co-autoria dele com Gahan), e as faixas “Cover Me” e “Poison Heart” (Dave, Christian & Gordeno), e “No More (This Is The Last Time)” (Dave e Kurt Uenala).
         E em março de 2017 nasceu Mazzy Lee, sua quinta filha.
        Anunciaram finalmente o show para o Brasil, em 27 de março de 2018. Até o momento, sendo a última data para o encerramento da tourné “Global Spirit Tour”.
        (onde espero que, por ser tratar do último show, tenhamos grandes surpresas...)
        Afinal mesmo com tanto tempo de estrada, ainda é no Depeche Mode onde Martin Gore consegue expressar melhor seus sentimentos.
        E é justamente nesse ponto, “SENTIMENTOS”, onde esse que escreve essa biografia, mais lhe admira.
        Martin : são quase 34 anos, que lhe acompanho, leio e releio suas composições, e você tem o dom de escrever/descrever – justamente os “nossos sentimentos”. A alegria, a angústia, a tristeza, e a esperança que você sempre coloca em suas letras. Sou e sempre serei, seu “eterno seguidor”.
        Você sempre será um “mestre” para mim.
        Parabéns, e muito obrigado por existir em nossas vidas !!!

        Uma Observação Importante : esse texto foi parcialmente traduzido por mim e uma amiga, Cynthia Pucci, para a página “For The Masses”, do meu amigo All75.
        Eu apenas atualizei e inclui alguns dados que achei necessário, nessa biografia do Martin.

  
Nome completo: Martin Lee Gore
Local e data de nascimento: Londres, 23 de julho de 1961
Residência atual: Santa Bárbara nos Estados Unidos
Ex Esposa: Suzanne (casado em 1994, divorciado em 2005)
Filhos com Suzanne : Viva Lee (1991), Ava Lee (1995), Kalo Leon (2002)
Esposa : Kerrille Kaski (casado desde 2014.)
Filhos com Kerrille : Johnnie Lee (2016) e Mazzy Lee (2017).
Pais: Pamela e David Gore.
Irmãos: Karen e Jaqueline.
Temor: Acidentes automobilísticos.
Ambição: Nenhuma.
Bandas anteriores: Norman And The Worms, French Look e Composition Of Sound.
Grupos preferidos: Velvet Underground e Elvis Presley.
Melhor performance ao vivo: Nitzer Ebb.
Música preferida: "There Is A Ghost In My House" de R. Dean Taylor.
Primeiro show que assistiu: Talking Heads.
Quantas músicas compõem por ano: Entre dez e quinze.
Quantos anos tinha quando escreveu sua primeira letra: Treze e era espantosa.
Lado B do DM: "Ice Machine".
Pior disco do DM: A Broken Frame.
Canção favorita de seu álbum solo: "In A Manner Of Speaking".
Site oficial: www.martingore.com

















Parabéns !!!
Faith & Devotion
JeanBong13
  

terça-feira, 18 de julho de 2017

Global Spirit Tour : Show de 17 de julho, em Minsk foi cancelado.

Global Spirit Tour : Show de 17 de julho, em Minsk foi cancelado, por problemas com a saúde de Dave Gahan.

"Anunciamos com pesar que, devido à doença do membro de banda, o Depeche Mode será incapaz de executar o show de hoje em Minsk Arena em Minsk, Bielorrússia.
Nós atualmente estamos verificando todas as opções para remarcar esse show para mais tarde na turnê. Esperamos poder dar uma atualização sobre isso na próxima semana.
Pedimos a todos os fãs que guardem os ingressos para o show desta noite para mais informações sobre o reescalonamento e/ou reembolsos.
As nossas desculpas a todos os fãs em Minsk e agradecemos sua compreensão e paciência."

Essa mensagem acima, foi anunciada na página oficial do DM.

O problema foi gastrointestinal e foi isso que ocasionou o cancelamento do show.
Dave Gahan saiu do hospital no dia 18 de julho, em condição médica dada como satisfatória.
Saiu do hospital para o Hotel, onde após repouso, deve ir para Kiev, e fazer o show de 19/07.
A banda segue com os shows da sua agenda.






The Show Must Go On !
Faith & Devotion !
JeanBong13






domingo, 16 de julho de 2017

Depeche Mode Na Rússia : Show "Sold Out", Disco De Ouro e Nova Data Anunciada !!!


Depois de mais uma noite "sold out" em 15/07/2017, agora na Rússia, o Depeche Mode anunciou uma data extra para 25/02/2018, esticando um pouco a segunda perna da tourné Global Spirit Tour.
E também ganharam mais um disco de ouro, pelas vendas do Spirit por lá.






Faith & Devotion
JeanBong13




sábado, 8 de julho de 2017

Parabéns Andy Fletcher !!!


Devotos...
Andy Fletcher comemora mais um ano de vida...
Com certeza hoje em Lisboa/Portugal, teremos um "Happy Birthday", durante a apresentação do Depeche Mode, no NOS Alive Festival.

Segue uma biografia que fiz há um tempo para ele...

           Andrew Fletcher (ou Andy Fletcher), nasceu no dia 08/07/61 em Nothingann mas mudou-se ainda muito novo para Basildon, onde com oito anos entrou para uma associação religiosa chamada Boys Brigade.
           Fletcher é o mais velho de quatro irmãos do casal Joy e John Fletcher.
           Andy se manteve na Boys Brigade até os dezoito anos e nessa associação foi onde conheceu Vince Clarke. Com quem aos dezesseis anos, formou uma banda chamada No Romance In China. Essa dedicava-se em fazer pálidos covers do The Cure. "Queríamos ser igual a eles, estávamos obcecados pelo seu disco Imaginary Boys. Vince fazia um esforço enorme para cantar como Robert Smith.".
           O No Romance In China nada mais era do que um passatempo para Andrew e Vince, foi extinto no final de 1979, depois que Vince resolveu formar uma banda com identidade própria. Porém Andy não ficou esquecido, logo em seguida ele foi convidado a integrar outra banda formada por Vince, o Composition Of Sound. Ainda que essa banda parecesse mais promissora que a anterior, Andy levou bastante tempo para começar a leva-la realmente a sério. Isso só aconteceu, quando a banda mudou o para Depeche Mode, e gravou seu primeiro single. "Eu trabalhava em uma agência de seguros, algo que me satisfazia, pois o que ganhava com o grupo não era suficiente. Mas, depois que gravamos o single 'Dreaming Of Me' e entramos no Top Of Pop, me dei conta, de que quando chegava na agência, as pessoas me viam como um músico famoso.".
           Ainda que participe pouco do processo criativo das músicas do Depeche, foi Andy quem, devido a sua formação religiosa, mais absorveu as polemicas criadas com a edição do single "Blasphemous Rumours", o qual sofreu uma série de represálias, por parte de organizações religiosas. Fletch disse na época, que não estava de acordo com a forma de atuar da igreja, e que não entendia porque estavam criando tanta polemica com relação a uma música. Confessou ainda, que a primeira vez que Martin lhe mostrou essa música, ele ficou muito confuso, mas depois que Martin lhe explicou que sua letra estava baseada em algo que aconteceu na época em que eles se conheceram, quando Andy pretendia converte-lo ao catolicismo. Ele disse ter analisado cuidadosamente se a letra era ofensiva, e concluiu que a intenção da letra dessa música, não tinham nada de ofensiva. Alguns anos depois passaria por uma situação semelhante com a promoção e lançamento do single "Personal Jesus".
           No inicio dos anos 90, Fletch tornou-se sócio do restaurante Gascogne's em St. Johns Wood, zona norte de Londres. Em 1994, cumprindo ordens médicas, Andy abandonou o Depeche Mode no final da primeira parte da Devotional Tour, devido ao stress. Depois de um tempo com a família, Andy voltou firme e forte, pronto para cuidar das finanças da banda, coisa que sempre fez desde a formação inicial do DM em 1980.
           Ainda que hoje em dia ele já não se interesse tanto por pop music e se sinta mais a vontade cuidando dos negócios legais da banda, do que tocando sintetizadores nos shows, Andy já tentou se aventurar em um projeto solo. Em 1983, enquanto Depeche gravava em Berlim, as faixas para o álbum Some Great Reward, ele gravou algumas músicas com Alan ou Martin o acompanhando nos teclados. O material chegou a ser editado e batizada oficialmente por Andy. Inclusive Alan Wider chegou a tirar a foto para capa deste álbum, que iria chamar-se Toast Hawaii (nome de seu prato favorito da cantina dos estúdios Hansa). Porém Daniel Miller achou inviável lançar esse material. "Eu acredito que realmente tenho uma voz fantástica. Desgraçadamente, Dave e Martin pensam que não tenho uma voz fantástica... O certo é que Dave e Martin são grandes cantores e eu não.".
           Em qualquer outra banda Andy seria considerado uma cara desnecessária nas capas dos álbuns. Mas ele é o âncora que vem mantendo o Depeche unido, ao longo dos anos. Foi o envolvimento de Fletch nos negócios da banda, que permitiu que o grupo não somente alcançasse sucesso musical, mas como também o sucesso financeiro. Atualmente Andy está se dedicando a outro projeto pessoal. Em 2002 lançou seu selo independente, o qual foi batizado de Toast Hawaii.
           Assinou com a banda “Client”, lançou o álbum e alguns singles, foi em alguns lugares da tourné promocional da banda, e se apresentou abrindo os shows, como DJ.
           Em 2003, participou do clipe da banda, com a música “Client”, que foi dirigido por Laurence Akers.
           O Client, não renovou contrato com a “Toast Hawaii”. O selo está parado no momento...
           Depois, acabou fazendo uma tourné como DJ, tocando em festivais, clubes na Europa e América do Sul, passou pelo Brasil em 2007, se apresentou em 27/09/07 (Belo Horizonte, “Na Sala”) - 28/09/07 (São Paulo, na Pachá) e em 05/10/07 (Rio De Janeiro, na The Week).
           Um de seus “Dj Events” mais famosos, ficou conhecido como “One Night In Warshaw”.
           No primeiro dia da “Tour of The Universe”, Andy recebe a notícia do falecimento de seu pai.
           Em 2011 anunciou outra “Dj Set Tour”, afirmou que planeja ir a lugares onde o Depeche Mode não visitou em um longo tempo. (Roménia, Ucrânia, Emirados Árabes Unidos, Austrália, Indonésia, Filipinas, Singapura, China e Coréia).
           Inclusive passou pelo Brasil, com o “Dj Set” intitulado “Prudence Celebration” no Rio De Janeiro, em 13/10, no Club Costa Brava, e em São Paulo, em 14/10 no Estúdio M, onde a DM Brasil divulgou e também vendeu parte dos ingressos.
           Nos seus set-list, sempre constam alguns artistas da Mute, e do Depeche Mode. Inclusive durante o começo da tourné de 2011, chegou a apresentar alguns remixes do álbum novo do dm.
          Fletcher foi casado com Grainne (um nome irlandês pronunciado "Grawn-yah") por 17 anos e tem dois filhos, Megan e Joe.
          Ele tem três irmãos; Susan, Karen e Simon, e é o mais velho, mora em St John Wood, em Londres.
           Gosta De Elvis Presley, e uma das suas músicas preferidas é “New York, New York” de Frank Sinatra.















Parabéns Andy !!!
Faith & Devotion
JeanBong13

Non Stop A Festa : Cancelada a Global Experience de Hoje !!!


Devotos Amigos...
Segue o texto informando que a festa da Non Stop : Global Experience Tour Recife, foi cancelada, devido as chuvas...
Será reagendada para Setembro !!!
Aguardem....



Infelizmente, imprevistos acontecem...
Faith & Devotion
JeanBong13

segunda-feira, 3 de julho de 2017

Vince Clarke : Parabéns !!!


Vince Clarke, comemora hoje, seus 57 anos.
Parabéns para um dos fundadores do Depeche Mode !
Segue abaixo uma biografia que fiz há um tempo atrás....

          Vincent John Martin, nasceu em South Woodford, Londres, no dia 3 de julho de 1960. Foi criado em Basildon, onde começou estudando violino e depois piano.
          Ainda que hoje em dia, Vince Clarke seja um absoluto ateu, por muito tempo ele fez parte da Boys Brigade - um de grupo de jovens missionários cristãos, onde tinha a tarefa de recrutar não-crentes e organizar concertos para ala jovem da igreja. Foi na Boys Brigade, durante os anos 70 que Vince conheceu Andrew Fretcher, com quem formou o No Romance In China, uma banda que se esforçava em fazer pálidos covers do The Cure, onde Vince tocava 'muito mal' guitarra. Antes disso Vince fez parte de um duo gospel, o qual ele se nega terminantemente o nome. "Nem para Andy (Bell) eu contei.".
          Em 1979, mudaram o nome para “French Look”, logo em seguida Vince conheceu Martin Gore com quem resolveu formar uma nova banda, Andy Fletch não quis ficar de fora, daí então surgiu o Composition Of Sound. Os shows do trio não chegavam a irritar, mas também não convenciam ninguém. Vince sempre acabava os shows sumido num completo marasmo e o público saia com a idéia de que desse jeito o grupo não iria a lugar algum. Com o tempo Clarke se cansou de tomar conta da programação dos ritmos, compor as músicas e ainda ser o responsável pelos vocais. Com isso David Gahan foi recrutado para ser o novo vocalista. Uma fase de transição começou para o grupo. Vince trocou sua guitarra por um sintetizador, e a banda passou a chamar-se Depeche Mode.
          Depois do lançamento de três singles e do primeiro álbum (Speak and Spell), Clarke resolve abandonar o DM. "É muito difícil achar alguém com quem trabalhar, é meio como achar um namorado ou namorada para viver junto. No Depeche nós não gostávamos uns dos outros, brigávamos demais.". Mas segundo as más línguas, Vince saiu mesmo porque o grupo recusou gravar a faixa "Only You". Além disso outro fator que talvez contribuído para sua saída, tenha sido os rigores que teria de encarar numa série de apresentações ao vivo, coisa que Vince sempre detestou fazer.
          Sem ressentimentos, Clarke não vê com muito entusiasmo as carreiras de seus ex-colegas do DM. "Gosto de algumas coisas no Depeche, mas em geral é tudo muito para baixo. O Martin precisa escrever ao menos uma única música feliz em sua vida, ai então será uma surpresa.".
          Certo mesmo é que meses mais tarde, Vince formaria com a cantora de R&B Alison Moyet o extraordinário Yazoo (Yaz nos Estados Unidos). Esse projeto de Vince, durou 2 anos, 82/83, quase conseguiu a combinação perfeita entre a música eletrônica e a melodia suave cantada pela voz soul de Alison. Um dos grandes sucessos do Yazoo, foi curiosamente "Only You", que chegou ao número dois das paradas de sucessos inglesas, e que mais tarde receberia versões de artistas como Judy Collins, Rita Coolidge, Richard Clayderman ou Enrique Iglesias. Infelizmente o Yazoo teve vida curta, durou apenas dois álbuns. "Era meio como a gata e o rato, mas na verdade eram dois gatos. Alison não gostava do que estávamos fazendo, e isso acabou com o nosso relacionamento.". Alison seguiu, sob o pseudônimo de Alf, uma fracassada carreira.
          Movido por sua inquietude e paixão pelos sintetizadores, Vince formou com Robert Marlow e Eric Radcliffe (produtor do Yazoo e dos primeiros álbuns do DM), o The Assembly. Um projeto com vocalistas convidados, que só durou um single, em 1983 – “Never, Never”. "Era difícil encontrar a pessoa certa para cada música, então tornou-se inviável produzir um álbum. Na verdade, estava mesmo era procurando o vocalista certo.". Depois disso, Vince fundou sua própria gravadora, a Reset Records e produziu vários temas para anúncios de TV, entre eles um para a Volkswagem. Em 1985, junto com Paul Quinn, lançou o single “One Day”.
          Finalmente em 1986, o grande mago dos teclados, conheceu Andy Bell, com quem formou o bem sucedido Erasure, banda que fabrica hits até os dias de hoje. Com o Erasure, Vince conseguiu deixar para trás o seu maior temor: as apresentações ao vivo e tornou-se um músico quase normal. "Me vejo mais como técnico do que como músico. Não tenho muitas habilidades com teclados, preciso apertar uma tecla de cada vez.".
          Colocaram muitos singles nas paradas, lançaram mais de 14 discos, e já passaram pelo Brasil, com a tourné “Wild Tour” de 89/90, em Porto Alegre, Rio De Janeiro e São Paulo.
          Em 1997, com a “Cowboy Tour” , através do Festival Close Up Planet, passando por Curitiba, São Paulo e Rio De Janeiro.
          Participaram em 14/05/2011 – Do “Short Circuit presents Mute Festival”, no London’s Historic Roundhouse.
          Vince divulgou ainda nesse ano, que estava trabalhando – sem data definida de lançamento – um álbum com o Martin L. Gore. (rumores de álbum voltado ao “tecno”).
          Anunciaram em 2011, com a “Total Pop Tour”, 5 datas no Brasil :
          04/08 – Brasília, Pontão Do Lago Sul
          06/08 – Rio De Janeiro, Citibank Hall
          07/08 – Belo Horizonte, Chevrolet Hall
          09/08 – São Paulo, Credicard Hall
          11/08 – Porto Alegre, Pepsi On Stage

          Em 03/10/2011 lançaram o álbum “Tomorrow’s World”.
          Já em 30/11/2011 – lançou o EP – “Spock”, já como VCMG (Vince Clarke Martin Gore), que antecipou o album “SSSS” – que foi lançado em 12/03/2012.
          O Projeto ainda rendeu mais dois singles : “Single Blip” em 20/02 e “Aftermaths” em 20/08/2012.
          Erasure continua na estrada, sempre lançando albums e ótimas tournés.
          Snow Globe em 2013, um album voltado para os temas natalinos.
          The Violet Flame em 2014.
          World Be Gone em 2017.

           Embora a genialidade de Vince Clarke tenha deixado muitos bons frutos na longa estrada da música pop dos anos 80, ele descarta a possibilidade de ter sido influencia à alguém. "Não acredito que tenha influenciado ninguém, o Depeche Mode sim, influenciou muita gente. As pessoas  vivem me enviando fitas-demo, e todas elas parecem com o Depeche.".
          Uma Observação Importante : esse texto foi parcialmente traduzido por mim e uma amiga, Cynthia Pucci, para a página “For The Masses”, do meu amigo All75.
          Eu apenas atualizei e inclui alguns dados que achei necessário, nessa biografia do Vince.
















Parabéns Vince !!!
Faith & Devotion
JeanBong13

domingo, 2 de julho de 2017

Milão : 27 06 2017 - Telão com problemas...


Durante a execução da música "Walking In My Shoes", em Milão em 27 06 2017, a banda teve algum problema com a projeção das imagens do telão.
Simplesmente a tela escureceu, e depois apareceu o nome "It's No Good", durante a execução da música.
Mais uma para a lista dos problemas ao vivo, que são apelidados de "Something Went Wrong", durante a carreira da banda.






Fontes :
DM Europe - Claudja Schulzi
Emerson Paiva

Faith & Devotion
JeanBong13

Set List Em Bologna, Itália em 29 06 2017 - Mudança de Set List.


Set List tocado em Bologna, Itália, em 29 06 2017.



Detalhe : Dessa vez, o Depeche Mode incluiu "Judas" e novamente "Strangelove".
Começam a aparecer as mudanças acústicas dos Set tocados pelo Martin.

Fonte : Ultra Depeche
Faith & Devotion
JeanBong13